Escolha uma Página

Diga-me com quem andas e te direi quem és. Provérbio popular antigo, mas será que é 100% verdadeiro?

Jesus escolheu algumas pessoas para ficarem mais próximas a ele. Os escolhidos passariam mais tempo com Jesus, ouviriam seus ensinamentos e também o veriam agir. Mais tarde eles teriam a tarefa de ir por todo o mundo e ensinar a outros o que tinham aprendido (Mateus 28.19-20).

Se você estivesse no lugar de Jesus, quem escolheria? Pessoas íntegras, “CDFs”, que tivessem as mesmas opiniões que você? Afinal isso facilitaria o convívio! Pois é. Jesus escolheu um grupo heterogêneo e algumas figuras inacreditáveis. Veja só:

Pedro – um rude pescador, “cabeça dura”, firme, decidido, petulante e impetuoso. Falava primeiro, pensava depois. Convicto, agia por impulso. O mesmo Pedro que andou sobre as águas e reconheceu Jesus como Filho de Deus, cortou a orelha do soldado que prendeu Jesus e negou que o conhecia por três vezes. Você conhece um “cabeça dura” como Pedro?

André – pescador, talvez um “caxias”; era um dos discípulos de João Batista e foi um dos primeiros a seguir Jesus. Contou a novidade a Pedro, seu irmão, e o levou a Cristo.

Tiago e João – dois irmãos que também eram pescadores. Mimados pela mãe, parece que o “poder” subiu à cabeça dos dois. Quando um certo povoado não os recebeu bem, eles perguntaram a Jesus “- Senhor, queres que façamos cair fogo do céu para destruí-los?” (Lucas 9.54).
Que petulância, não? Se tinham algum poder é porque o próprio Jesus tinha dado a eles. Eles só não tinham entendido ainda como esse poder deveria ser usado. Em outra passagem os dois pedem a Jesus “- Permite que, na tua glória, nos assentemos um à tua direita e o outro à tua esquerda” (Marcos 10.37). Queriam sucesso, glória, fama, queriam ser “vice-rei dos céus”. Com o passar do tempo e aprendendo com Jesus, eles mudaram. João quando escreveu o Evangelho foi tão humilde que não fez referência ao próprio nome!

Filipe – uma pessoa prática, objetiva, com raciocínio lógico. Na 1ª multiplicação dos pães, quando questionado por Jesus como iriam dar de comer a toda aquela gente, Filipe raciocinou matematicamente e disse que 200 denários* não seriam suficientes (João 6.1-7).

Tomé – quem não conhece a fama de Tomé? Várias passagens mostram que ele era racional. Tinha que ver para crer. Acreditar só no que vemos e sentimos nos mantêm presos à nossa própria gaiola, mas Jesus não desconsiderou Tomé por causa disso. Apresentou-se à Ele ressurreto convidando-o à tocá-lo, a chegar perto. Você conhece alguém como Tomé? Talvez você pense que essa pessoa nunca vai acreditar em Deus. Lembre-se de Tomé!

Simão, o zelote – imagine um judeu super nacionalista e anti-imperialista. Os zelotes queriam libertação da opressão de Roma mesmo que isso significasse luta armada e custasse a própria vida. Simão era radical, talvez como um terrorista nos dias de hoje. Como alguém tão extremista poderia estar no grupo dos doze discípulos?

Mateus – fiscal do Imposto de Renda, visto pelo povo como “cagueta”, traidor e ladrão. Cobrava impostos dos judeus para entregar a Roma. Malquisto pelos romanos e malquisto pelos judeus. Rico por fora, pobre por dentro. Imagine só Mateus e Simão Zelote no mesmo grupo? Só Jesus mesmo pra fazer uma coisa dessas!

Judas Tadeu – queria aprender mais sobre Jesus fazendo-lhe perguntas. O que há de mal em ser curioso e querer aprender? Judas Tadeu aproveitava cada momento ao lado de Jesus.

Bartolomeu e Tiago, filho de Alfeu – a bíblia traz pouca informação sobre os dois.

Judas Iscariotes – não precisa falar muito sobre ele, seus atos falam por si só. Ganancioso e mentiroso, traiu Jesus por 30 moedas de prata. Judas era ladrão; “sendo responsável pela bolsa de dinheiro, costumava tirar o que nela era colocado” (João 12.6).

Talvez você não escolhesse um ladrão para estar no seu grupo, mas Jesus escolheu. Certa ocasião Jesus disse: “- Não são os que têm saúde que precisam de médico, mas sim os doentes… eu não vim chamar justos, mas pecadores” (Mateus 9.12-13).

Diferentemente de alguns de nós, Jesus não tomou a forma do seu grupo, mas os influenciou e ensinou, transformando-os. Esse mesmo grupo (com exceção de Judas Iscariotes) permanceu unido depois da ressureição de Jesus (Atos 1.13-14). “Todos se reuniam sempre em oração”, aguardando a promessa de Deus – o Espírito Santo.

Que lindo trabalho Jesus fez com esses doze discípulos! Se Ele escolheu essas doze figurinhas por que não escolheria eu e você? Há esperança para nós! ;o)

Aline Cândido

*O denário era uma moeda de prata equivalente à diária de um trabalhador braçal.