Escolha uma Página
“Meus ouvidos já tinham ouvido a teu respeito, mas agora os meus olhos te viram”. Jó 42.5

Você certamente já ouviu falar do Espírito Santo. Pode até não saber direito quem ele é e o que faz, mas já ouviu algo a respeito.
Quando eu era criança imaginava o Espírito Santo como uma “fumaça” que entrava dentro das pessoas. Ah, não ria, vai! Imaginar fisicamente Deus e Jesus era mais fácil, mas nunca ninguém me falou como o Espírito Santo era!

Mais tarde aprendi que o Espírito Santo é uma pessoa, é o próprio Deus que habita em nós. Ouvi uma explicação de uma amiga e nunca mais esqueci. Ela disse que Deus é como a água, que pode se apresentar em três estados: sólido (gelo), líquido e gasoso (vapor). Apesar de diferentes os três são água. Assim é Deus em seus três estados:
– Deus Pai, o criador de todas as coisas;
– Jesus, o filho de Deus, que desceu a esse mundo e viveu como homem durante 33 anos;
– e o Espírito Santo, o Consolador (ou Conselheiro) que Jesus prometeu enviar assim que Ele voltasse para o Pai.

“Eu pedirei ao Pai, e ele lhes dará outro conselheiro para estar com vocês para sempre, o Espírito da verdade. O mundo não pode recebê-lo, porque não o vê nem o conhece. Mas vocês o conhecem, pois ele vive com vocês e estará em vocês”. (João 14.16-17)

Então o Espírito Santo é o próprio Deus, vivendo conosco e em nós, para sempre! Mas como disse Jó, uma coisa é ouvir falar, outra é “ver com os próprios olhos”.
Foi isso o que aconteceu com os primeiros discípulos que estavam reunidos em Jerusalém, no dia de Pentecoste. Eles experimentaram o Espírito Santo, foram batizados.

“Chegando o dia de Pentecoste, estavam todos reunidos num só lugar. De repente veio do céu um som, como de um vento muito forte, e encheu toda a casa na qual estavam assentados. E viram o que parecia línguas de fogo, que se separaram e pousaram sobre cada um deles. Todos ficaram cheios do Espírito Santo e começaram a falar noutras línguas, conforme o Espírito os capacitava.” Atos 2.1-4

Muito se fala a respeito do batismo do Espírito Santo e há opiniões diferentes sobre o assunto. Mas repare em algo importante, na última frase do versículo acima. Todos ficaram cheios do Espírito Santo e receberam uma capacidade que não tinham. Na ocasião foi a capacidade de falar em outras línguas, afinal era necessário que o evangelho fosse difundido pelo mundo afora e nada melhor do que anunciá-lo aos estrangeiros que estavam naquela reunião. “Havia em Jerusalém judeus, tementes a Deus, vindos de todas as nações do mundo” (Atos 2.5). E cada um deles ouviu as maravilhas de Deus em sua própria língua (Atos 2.12). Incrível! Só sendo Deus para capacitar “caipiras” (galileus) a falarem outros idiomas.

Mas voltemos à capacidade. O Espírito Santo sempre dá às pessoas dons, “visando o bem comum” (1Coríntios 12.7). Essa intervenção sobrenatural de Deus, supre necessidades que estão além da nossa capacidade natural. Isso é o poder de Deus sendo conhecido por meio dos dons. Em 1Coríntios 12.7-11, Paulo apresenta uma lista de dons, mas não vamos falar sobre isso agora (deixemos esse assunto para outro texto). O importante agora é saber que o Espírito Santo não é uma fumaça, e que uma porção de seu poder é dada a cada cristão para abençoar outras pessoas.

Que capacidade Deus te deu (ou quer te dar) para ser usada em benefício de outros?

Aline Cândido