Escolha uma Página
Há um texto conhecido no Novo Testamento que relata a cura de um paralítico, ele está em João 5.1-17. 
Havia um tanque chamado Betesda em Jerusalém, com cinco entradas em volta. Ali costumam ficar grande número de pessoas doentes como cegos, mancos e paralíticos. Eles esperavam um movimento nas águas. Segundo conta o texto, o primeiro que entrasse  no tanque, depois de agitadas as águas, era curado de qualquer doença que tivesse. Naquele dia Jesus estava ali e observou um homem a beira do tanque que era paralítico havia 38 anos. “Quando o viu deitado e soube que ele vivia naquele estado durante tanto tempo, Jesus lhe perguntou: ‘Você quer ser curado?’” (João 5.6).
Jesus se incomodou com a situação daquele homem, não somente porque era paralítico, mas principalmente porque estava “naquele estado durante tanto tempo”. Sabe quando a vida vira rotina e a rotina vira marasmo e o marasmo nos deixa acomodados? Depois de 38 anos paralisado fisicamente, o homem também tinha adquirido outra doença – estava tão cego que não conseguia mais enxergar a própria situação. 
Jesus lhe fez uma simples pergunta: “Você quer ser curado?”. O paralítico não conseguiu responder nem sim nem não, ele disse: “Senhor, não tenho ninguém que me ajude a entrar no tanque quando a água é agitada. Enquanto estou tentando entrar, outro chega antes de mim” (v. 7). Você deve conhecer pessoas que já estão tão voltadas para seus próprios problemas que não conseguem mais enxergar a solução e passam a vida reclamando de tudo. Não tem problema, tem gente que só se movimenta pegando no tranco, precisam de um milagre mesmo.
Jesus nem esperou o paralítico se decidir pelo sim, pelo não, ou continuar reclamando da vida. Ele disse logo: “Levante-se! Pegue a sua maca e ande”. Imediatamente o homem ficou curado, pegou a maca e começou a andar” (v. 8-9).
A ordem de Jesus sugeria MOVIMENTO. Algumas pessoas quando começam a conhecer a Deus sentem que um certo movimento é feito em suas vidas. É como a água de um aquário, se está parada não se vê a sujeira, mas basta um pouco de movimento para ver que a água precisa ser trocada, limpa. Jesus movimenta a nossa vida, mas algumas pessoas fogem e preferem voltar ao seu marasmo, a sua rotina enfadonha. Sabe como é, ‘tá ruim, mas tá bom’. E isso não acontece só com gente nova na fé. Os mais velhos também precisam se cuidar para não ficarem mornos, como diz o texto abaixo:
“Conheço as suas obras, sei que você não é frio nem quente. Melhor seria que você fosse frio ou quente! Assim, porque você é morno, não é frio nem quente, estou a ponto de vomitá-lo da minha boca. Você diz: ‘Estou rico, adquiri riquezas e não preciso de nada’. Não reconhece, porém, que é miserável, digno de compaixão, pobre, cego, e que está nu. […] Repreendo e disciplino aqueles que eu amo. Por isso, seja diligente e arrependa-se. Eis que estou à porta e bato. Se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei e cearei com ele, e ele comigo” (Apocalipse 3.15-20).
Há muitos outros detalhes no texto de João, como por exemplo os fariseus que foram criticar o paralítico pois ele estava carregando sua maca num sábado (isso também já aconteceu com você? Quando você toma uma decisão e segue em direção a um alvo, sempre vem alguém querer te desanimar ou fazer mudar de opinião, te paralisando de novo).
Jesus encerra a conversa com uma frase ótima: “Meu Pai continua trabalhando até hoje, e eu também estou trabalhando” (João 5.17). 
Se Deus e Jesus continuam trabalhando até hoje, o que nos faz pensar que podemos ficar parados, empurrando a vida com a barriga, deixando pra depois o que sabemos que devemos fazer hoje?
Pense: o que Jesus quer movimentar na sua vida? Então levante-se, pegue a sua maca e ande!
Aline Cândido