Escolha uma Página

 Há 10 anos entrei pela porta de uma igreja timidamente, como quem quer passar despercebida. Mas ao lado daquela porta havia alguém que olhava para o próximo, e essa pessoa, até então uma estranha pra mim, me recebeu com um abraço sincero – ela me abraçou como se abraça um amigo.

A igreja deve ser um local de amigos. Se voltarmos no tempo e pensarmos em Jesus e seus discípulos, veremos que Ele os tratava como amigos.

“Amem-se uns aos outros como eu os amei. Ninguém tem maior amor do que aquele que dá a sua vida pelos seus amigos… já não os chamo servos, porque o servo não sabe o que o seu senhor faz. Em vez disso, eu os tenho chamado amigos, porque tudo o que ouvi de meu Pai eu lhes tornei conhecido” (João 15.12-15).

Gosto de pensar em Jesus como um amigo. Quando eu era criança, tinha em mente que Deus era um cara barbudo e bravo, que ficava sentado num trono lá no céu, em meio as nuvens, jogando raios em quem fazia alguma coisa errada – uma figura inacessível!

Não é isso o que diz a bíblia. O texto de João diz que Jesus nos vê como seus amigos; Abraão também foi chamado “amigo de Deus” (Tiago 2.23); Quando Jesus se referiu à Lázaro, ele disse “nosso amigo Lázaro adormeceu” (João 11.11) – ele não disse “o querido irmão Lázaro”, ou “o membro da nossa comunidade Lázaro”, ou ainda “o servo Lázaro”.

O que vemos como igreja hoje é muito diferente daquele pequeno núcleo de pessoas que andava com Jesus. Eles não estavam fundando uma religião, antes, estavam se relacionando. Cristianismo é uma religião de amizade, de relacionamento – com Deus e com o próximo. Deus nos criou assim, e não para vivermos só.

O livro de Eclesiastes é um livro de descobertas feitas por alguém vivido. Veja a descoberta relatada abaixo. O texto é tão atual que nem parece que foi escrito no século X antes de Cristo:

“Descobri ainda outra situação absurda debaixo do sol:
Havia um homem totalmente solitário; não tinha filho nem irmão.

Trabalhava sem parar! Contudo, os seus olhos não se satisfaziam com a sua riqueza.
Ele sequer perguntava: “Para quem estou trabalhando tanto, e por que razão deixo de me divertir?” Isso também é absurdo; é um trabalho por demais ingrato!”

(Eclesiastes 4.7-8).

Fazer a opção de ser solitário é uma atitude egoísta, e trabalhar sem parar é uma forma de mascarar uma insatisfação. Quem tem amigos tem outras formas de satisfação que vão além do trabalho. Como diz o autor de Eclesiastes: “Melhor é ter um punhado com tranquilidade do que dois punhados à custa de muito esforço e de correr atrás do vento” (Eclesiastes 4.5-6).

Trabalhar é bom, mas só faz sentido quando podemos dividir suas recompensas com os amigos. É bom lembrar que a maior felicidade que podemos ter não conquistamos com nosso suor, mas nos foi dada gratuitamente: a vida eterna!

O texto de Eclesiastes continua:

“É melhor ter companhia do que estar sozinho,
porque maior é a recompensa do trabalho de duas pessoas.
Se um cair, o amigo pode ajudá-lo a levantar-se!
E se dois dormirem juntos, vão manter-se aquecidos.
Como, porém, manter-se aquecido sozinho?
Um homem sozinho pode ser vencido, mas dois conseguem defender-se.
Um cordão de três dobras não se rompe com facilidade”
(Eclesiastes 4.9-12).

Sempre tive pouquíssimos amigos – talvez por timidez e pela dificuldade de me relacionar abertamente com outras pessoas – mas foi na igreja que recebi esse grande presente: AMIGOS! Amigos verdadeiros!

Isso me fez lembrar do testemunho de Danny Velasco, do coral Brooklyn Tabernacle. Ele disse:

“Essa é a primeira coisa que vêm à minha mente sempre que eu tenho que me levantar e falar: eu olho ao redor e vejo a minha família. Essa é a coisa que eu mais amo a respeito de Jesus: Ele não só nos salva, nos limpa e transforma nossas vidas, mas ele nos adota em Sua família”.

Venha você também para essa família de amigos!
  
“O amigo ama em todos os momentos; é um irmão na adversidade” (Provérbios 17.17)

Aline Cândido