Escolha uma Página
Nós, filhos de Deus, que somos a imagem e semelhança dEle, deveríamos nos cuidar sendo como uma carta conhecida e lida por todos os homens (2Co 3.2-3). É nossa responsabilidade cuidar do nosso corpo com princípios básicos como: manter uma aparência limpa, bonita, higienizada, saudável e apropriada em todas as ocasiões (lazer, trabalho, reuniões, em casa, na academia, etc).
Negligenciar sua aparência pode diminuir sua eficácia na obra de Deus, visto que as escrituras descrevem seu Corpo como um campo de batalha do Espírito Santo (1Co 3.16-17;6.19-20). Quero dizer que o que é bom conservado internamente é manifesto externamente, “Por que como imagina a sua alma, assim ela é;…” (Pv23.7).
Nas mulheres a “postura” é essencial para representar a Cristo. Elas são admoestadas a adornarem seu exterior e também usarem o adorno que reflete o que há dentro delas, “…seja, porém, o homem interior do coração, unido ao incorruptível trajo de um espírito manso e tranquilo, que é de grande valor diante de Deus (1Pe 3.4)”. Estilo e beleza não precisam fazer concessões. Podemos ter estilo com modéstia e talento.
Nos homens as boas maneiras fazem parte de sua imagem total. As considerações com opiniões, sentimentos, atitudes, educação e classe social são oportunidades de refletir o caráter dos “Frutos do Espírito”. São nessas áreas que podem dar testemunhos de Cristo.
Os cristãos são assistidos e observados de perto e, a maneira como os outros interpretam suas atitudes, ações e palavras determinará em grande extensão, a forma que encaram a Cristo.
Quantos maridos chamam as suas esposas de “burras” na frente de pessoas que não são cristãs? Quantas esposas não são submissas a seus maridos na presença de estranhos? Quantos homens e mulheres vivem a “ostentação por dinheiro, classe social” e deixam de lado os que menos têm?
O amor de Cristo tem que brilhar!
A beleza que permanece e que agrada a Deus não depende do quadro externo, mas é alcançada com equilíbrio da personificação do amor de Cristo e com cuidado do trabalho de Deus.
Karina Lira Guelere Oliveira