Escolha uma Página

Cheguei em casa depois de uma longa viagem de trabalho. Meus filhos me cercaram na porta e disputavam meu abraço.
Enquanto me contavam as novidades, o mais novo me puxou pelo braço e disse: venha ver papai! Venha ver quanto eu cresci!

Na nossa família é costume fazer marcas na porta de tempos em tempos para acompanhar o crescimento das crianças. É incrível como às vezes elas tem surtos de crescimento!
Os dois me mostraram suas marcas no batente da porta e o mais velho perguntou: e vc papai? Quanto cresceu nesse tempo que ficou fora?

Fiquei pensativo. Para os meus filhos eu nunca paro de crescer. Sei que eles não pensaram nisso mas na minha mente pensei em crescimento espiritual.

No começo da vida cristã (assim como na infância) o crescimento é rápido e constante. Mas em algum momento da minha vida parei de crescer. As minhas marcas no batente são antigas… Quanto eu cresci espiritualmente quando comparado ao ano passado? E quando comparado ao mês passado?

Sei que Deus tem inúmeras maneiras de nos ajudar a crescer, mas não depende somente dEle. O crescimento físico é natural, mas o espiritual depende também do nosso esforço.

Todos os que competem nos jogos se submetem a um treinamento rigoroso, para obter uma coroa que logo perece; mas nós o fazemos para ganhar uma coroa que dura para sempre.
1 Coríntios 10:25

Preciso ler, ouvir e praticar a Palavra de Deus… olhando para os meus filhos pude perceber que não posso parar de crescer!

De fato, embora a esta altura já devessem ser mestres, vocês precisam de alguém que lhes ensine novamente os princípios elementares da palavra de Deus. Estão precisando de leite, e não de alimento sólido!
Quem se alimenta de leite ainda é criança, e não tem experiência no ensino da justiça.
Mas o alimento sólido é para os adultos, os quais, pelo exercício constante, tornaram-se aptos para discernir tanto o bem quanto o mal. 

Hebreus 5:12-14
 

Aline Cândido

Inspirado no devocional “Medindo o crescimento espiritual”- Livro Dia a Dia com Charles Swindoll