Escolha uma Página

Acabei de ler um texto escrito por um colega de profissão, que usou as entrelinhas para se exaltar e contar seus feitos. Não raro, encontramos outras pessoas tão cheias de si que se elogiam abertamente, com naturalidade.
Sempre quando vejo essa situação lembro de Provérbios 27.2:
“Ninguém elogie a si mesmo. Se houver elogios, que venham dos outros”.
Coincidência ou não, acabei de receber um texto em meu e-mail cujo título é “A auto-descrição de Jesus”.
Há na Bíblia um versículo onde Jesus se descreveu com suas próprias palavras. E usou apenas duas para isso. Ele poderia ter dito: “eu sou sábio e poderoso”, ou “sou santo e eterno” ou ainda “sou onisciente e absolutamente divino”, e todas essas descrições estariam corretas. Mas veja só como ele se descreveu:
“Venham a mim, todos os que estão cansados e sobrecarregados, e eu darei descanso a vocês. Tomem sobre o meu jugo e aprendam de mim, pois sou manso e humilde de coração, e vocês encontrarão descanso para as suas almas.” (Mateus 11.28-29)
Eu sou manso. Eu sou humilde. Esses são termos de servidão. Manso e humilde não denotam fraqueza ou insignificância, mas sim altruísmo e consideração.
O maior propósito de Deus é nos tornar cada vez mais semelhantes a Jesus, conforme diz o texto de Romanos 8.28-29: “Sabemos que Deus age em todas as coisas para o bem daqueles que o amam, dos que foram chamados de acordo com o seu propósito. Pois aqueles que de antemão conheceu, também os predestinou para serem conformes à imagem de seu Filho, a fim de que ele seja o primogenitor entre muitos irmãos”.
Quer semelhança maior do que nos encaixarmos na auto-descrição de Jesus?
Alguém aí pode se descrever como manso e humilde de coração?
Hmm… acho que não. Mas tomar consciência do próprio pecado  já é um grande passo. Que Deus nos ajude a cada dia e nos transforme à sua imagem e semelhança.
Aline Cândido
Fonte: Improving your serve: the art of unselfish living. Charles R. Swindoll, Inc.