Escolha uma Página

A experiência dos israelitas na saída do Egito é uma das mais conhecidas passagens bíblicas. Êxodo 14 narra o acontecimento do início ao fim nos mínimos detalhes: Deus deixou Moisés ao par de tudo – disse que endureceria o coração do Faraó para que os egípcios os perseguissem, deu ordens ao povo israelita para que marchassem, mandou um vento forte que soprou a noite toda e dividiu o mar em duas paredes de água, depois que o povo passou em terra seca, pediu a Moisés que estendesse a mão sobre o mar para que as águas voltassem sobre os egípcios e liquidou o exército inimigo.

“Eu serei glorificado por meio do faraó e de todo o seu exército; e os egípcios saberão que eu sou o Senhor!” (Êxodo 14.4).

A saga dos israelitas na travessia do Mar Vermelho foi contada durante todo o capítulo 14 de Êxodo e o feito de Deus foi tão maravilhoso que quase todo o capítulo 15 é utilizado para descrever o cântico de louvor que Moisés e os israelitas entoaram a Deus.

“O Senhor é a minha força e a minha canção; ele é a minha salvação!… Quem entre os deuses é semelhante a ti, Senhor?… autor de maravilhas… ” e por aí vai.

Se nós, lendo esses textos hoje, ficamos maravilhados com o que Deus fez, que dirá das pessoas que presenciaram isso ao vivo, não é verdade?! Foi uma experiência e tanto! Não só os egípcios souberam que Deus era Senhor, mas os israelitas também puderam provar na prática de que o Senhor estava com eles.

Mas a pergunta que me fiz ao ler Êxodo 14 e 15 foi: quanto tempo dura o efeito de uma bênção?

Essa ação de Deus foi tão magnífica que deveria firmar permanentemente a fé daquele povo no Senhor. Porém, depois de passarem pelo mar Vermelho eles caminharam no deserto durante três dias sem encontrar água (Êxodo 15.22). Chegaram a um lugar chamado Mara, mas não puderam beber as águas de lá porque eram amargas.

E então, o que você acha que o povo fez?

(   ) Lembrou que há 3 dias Deus os tinha livrado de uma situação muito mais perigosa e confiou que o mesmo Deus daria uma saída a eles.

( X ) Reclamaram com Moisés.

Deus está o tempo todo nos ensinando, nos moldando, nos indicando o caminho, mostrando que Ele é Deus acima de tudo e de todos, e que nEle devemos confiar toda a nossa vida. Mas se não dermos atenção à mensagem por trás do milagre, ficaremos apenas com o milagre (e seu efeito passageiro).

Conhecemos a história e sabemos que os israelitas que foram libertos da escravidão do Egito murmuraram muitas e muitas vezes no deserto (e por isso não entraram na Terra Prometida). Deus, no seu infinito amor e paciência continuava ensinando em todas as situações. Ainda no capítulo 15 de Êxodo, depois que Moisés clamou a Deus, “eles chegaram a Elim, onde havia doze fontes de água e setenta palmeiras;  e acamparam junto àquelas águas” (Êxodo 15.27).

Bom, se o milagre de abrir o Mar Vermelho e salvar o povo, não foi suficiente para os israelitas confiarem em Deus, eles tiveram então uma nova chance de aprender em Mara, quando Deus transformou a água amarga em água boa para beber. Porém não foi bem isso que aconteceu.

Quantos versículos temos na bíblia entre essa última bênção (da água) e a próxima murmuração dos israelitas? Apenas um! Isso mesmo!!! Apenas um versículo!

Na sequência lemos: “No deserto, toda a comunidade de Israel reclamou a Moisés e Arão” (Êxodo 16.2). E quem tinha cantado e dançado em louvor a Deus na saída do Egito, passou a dizer: “Quem dera a mão do Senhor nos tivesse matado no Egito! Lá nos sentávamos ao redor das panelas de carne e comíamos pão à vontade, mas vocês nos trouxeram a este deserto para fazer morrer de fome toda esta multidão!” (Êxodo 16.3).

Antes de criticarmos os israelitas, vamos olhar para nossa própria vida e ver se não estamos fazendo o mesmo.

O que você aprendeu de Deus nas últimas situações que viveu? Quanto tempo durou o efeito da bênção?

Que Deus nos dê olhos para ver, ouvidos para ouvir e espírito manso para aprender.

Aline Cândido